Artigos

Qualidade de vida e desempenho profissional: um dilema constante

A qualidade de vida tem preocupado empresas e pessoas, uma vez que a relação entre manter hábitos saudáveis tanto nas rotinas pessoais quanto nas profissionais é uma tarefa árdua e que exige disciplina, força de vontade e uma avaliação constante. Pesquisas mostram que atualmente apenas 18% das empresas possuem algum tipo de ação voltada para a saúde mental de seus colaboradores e é necessário aumentar esse número. O mercado competitivo e a concorrência desmedida estão sobrecarregando os empregados, e portanto, podendo comprometer a sua saúde. Com isso, devem repensar a dose de exigência na trajetória profissional e requisitos estabelecidos.

Então como manter qualidade de vida pessoal e de trabalho em sintonia?

Não existe receita exata, pois cada pessoa e empresa possui um funcionamento próprio, realidades específicas e outras características que definem os fatores significativos para uma construção de sintonia entre ambos.

Vale ressaltar que tanto a empresa quanto pessoa são responsáveis por uma construção de sinergia entre os objetivos de ambas. A responsabilidade da empresa é muito importante para que o empregado possa equilibrar sua saúde mental e física em prol de uma qualidade de vida saudável. E o profissional deve assumir o compromisso consigo mesmo de potência alisar sua qualidade de vida equilibrar as exigências do trabalho assumido.

Seguindo este raciocínio, cabe a empresa:

  • Favorecer ambiente de qualidade, desde instalações de equipamentos adequados à execução e o desenvolvimento das atividades até oferecer clima emocional agradável de trabalho;
  • Definir entregas de trabalhos que não ultrapasse em horários demasiados, estabelecendo intervalo suficiente para descanso, metas tangíveis e prazos possíveis à capacidade física e mental do profissional;
  • Reconhecer o profissional com elogios e atitudes de respeito por suas entregas de trabalho e resultados, levando em conta seu esforço dedicação pessoal;
  • Oferecer apoio e oportunizar programas de desenvolvimento técnico e comportamental para auxiliá-lo no seu crescimento pessoal e profissional.

Por outro lado, cabe ao profissional:

  • Ter um propósito de vida, saber quais são seus valores e objetivos de vida, o que lhe traz satisfação para ter adesão ao seu papel, função e responsabilidades assumidas na empresa;
  • Ter consciência de suas potencialidades e pontos que precisa desenvolver, tendo satisfação no que realiza;
  • Assumir metas que entende serem tangíveis, concordantes as suas capacidades física e mental;
  • Equilibrar sua saúde física por meio de hábitos de lazer, alimentação saudável e exercícios físicos adequados que favoreçam seu bem-estar;
  • Cuidar dos aspectos financeiros, procurando administrar seus recursos para se planejar e ter tranquilidade diante dos objetivos que estabeleceu para sua vida.

Desta forma, com uma construção em conjunto, empresa e profissional, as possibilidades da pessoa manter uma saúde física e mental são maiores.

Parafraseando Seligman, estudioso da psicologia positiva, tornar a vida das pessoas mais satisfatórias e identificar e cultivar talentos superiores são elementos fundamentais para a pessoa potencializar suas qualidades e aproveitá-las para estabelecer uma qualidade de vida saudável.

Quer saber mais sobre o assunto qualidade de vida? Leia também o artigo: “Como manter uma qualidade de vida mental e física em nossa vida pessoal e profissional?” 

Confira outros artigos clicando aqui.

Por: Arlete Zagonel Galperin

Mestre em Organizações e Desenvolvimento (FAE); Pós-graduada em RH (PUC); Graduada em Psicologia (UTPR); Diretora da ABRH-PR; Diretora/Consultora de RH da ZHZ Consultores em processos de assessment, Programas de desenvolvimento de lideres e equipes e orientação de mercado.