Artigos

Inteligência Emocional: competência essencial

Habilidades interpessoais, liderança, trabalho em equipe, trabalho em rede, flexibilidade, negociação, cooperação, trabalho sob pressão, comunicação eficiente. A descrição acima consta na maioria das ofertas de oportunidades de trabalho é são consideradas fundamentais para um excelente desempenho da função. Também são avaliadas frequentemente nas organizações e para desenvolvê-las as empresas investem muitos recursos. São todas competências comportamentais para as quais é necessária a inteligência emocional.

Atuar de maneira emocionalmente competente é essencial para os profissionais em posições de liderança, os quais são responsáveis pelos resultados de suas equipes. Logo, a ineficácia emocional do líder afeta a equipe: se ele promove tensão, incute medo nas pessoas, se mostra hostil, não age com empatia, a equipe se recente e apresenta baixo desempenho ou reage buscando outra colocação no mercado de trabalho.

A Inteligência Emocional já foi descrita pelos gregos e outros pensadores, mas foi mais o psicólogo americano Daniel Goleman o responsável pela popularização do conceito definido por ele como: “capacidade de identificar os nossos próprios sentimentos e os dos outros, de nos motivar a nós mesmos e de gerenciar bem as emoções dentro de nós e nos nossos relacionamentos.”

O modelo de Goleman abrange cinco aspectos:

  1. Autopecepção ou autoconhecimento: reconhecer em nós mesmos as emoções e sentimentos e fazer uma reação realista de nossas capacidades.
  2. Autoregulaçao: é o controle sobre nosso estado emocional de forma a agirmoso em nosso favor e não contra nossos objetivos.
  3. Automotivação: impulsionar a nós mesmos na direção de nossos objetivos, com iniciativa e entusiasmo, perseverando diante de obstáculos.
  4. Empatia: habilidade de perceber o que as pessoas estão sentindo, assumindo sua perspectiva estabelecendo profunda conexão com uma ampla diversidade de pessoas.
  5. Habilidades sociais: saber como agir de forma socialmente adequada a qual favorece a negociação, a liderança e o manejo de conflitos.

Todas essas habilidades podem ser potencializadas através de estratégias bem definidas e sistematizadas.  A Inteligência Emocional pode ser desenvolvida através da modificação de certos hábitos, a reformulação de nossa forma de pensar e ao adotarmos novos comportamentos.

Por: Laísa Weber Prust

Mestre em Psicologia (UFPR); Pós-Graduada em Gestão Estratégica de Pessoas (FAE); Graduada em Psicologia (UFPR); Consultora Parceira da ZHZ Consultores.